Esse post está cheirando bem

07.05.2016

 

Ao se ler a palavra LAVANDA, já somos capazes de remeter nossos sentidos ao seu delicioso cheiro. Planta que dá origem a um dos óleos essenciais mais usados no mundo, serve de base para uma infinidade de cremes, shampoos, amaciantes e outros produtos de beleza e limpeza. 

 

Além do perfume, a Lavanda (ou Alfazema, como também é conhecida no Brasil) pode ser utilizada como fonte medicinal analgésica, sedativa, anti-inflamatória, antisséptica, relaxante e calmante. É uma planta ideal para colocar no quarto, desde que seja um lugar onde possa pegar sol parte do dia.

 

Planta nativa da região que vai do sul da Europa ao norte da África, da Arábia e das Ilhas Canárias, a lavanda prefere clima mais ameno, o que a torna resistente até a geadas ocasionais. Porém, com o avanço da tecnologia genética, hoje existem variedades adaptadas ao clima tropical, possibilitando o cultivo da espécie em quase todo o país. Dessa mutação genética, originaram novas espécies com flores brancas e azuladas, além das clássicas violetas e roxas.

 

Apesar de tão conhecida, pouca gente conhece os usos culinários da lavanda. Suas pétalas têm um gosto adocicado que aromatiza mel, vinhos, sorvetes, vinagres e biscoitos. Também podem ser usadas em saladas. Por ser da mesma família do alecrim, pode substituí-lo em ensopados e pratos com carne – mas com moderação, poir conta do seu forte perfume. Numa horta, ajuda a manter longe os insetos que podem danificar outras plantas. Uma dica boa e gostosa é acescentar lavanda nos drinks que tem hortelã como ingrediente, como o Mojito. Use a lavanda para acrescentar uma cor interessante e contrastante às folhas de hortelã. Misture de dois a três raminhos de lavanda fresca com folhas de hortelã, limão e açúcar e acrescente líquidos de acordo com a sua receita favorita de Mojito.

 

O gênero Lavandula compreende um grupo de plantas floríferas, herbáceas ou subarbustivas, que podem ser anuais ou perenes. As espécies mais cultivadas são a lavanda-inglesa (L. angustifolia ou L. officinalis), a lavanda-francesa (L. x intermedia) e a lavanda-espanhola (L. stoechas). Esta última, assim como L. dentata, e L. multifida, são as mais adaptadas ao clima brasileiro e amplamente utilizadas no paisagismo, enquanto que a lavanda-inglesa e a lavanda-francesa apresentam maior aptidão como medicinal e na extração de óleo essencial para perfumaria e dificilmente sobrevivem ao nosso clima.

 

A lavanda gosta tanto de sol que possui um mecanismo interno para detectar em que época do ano os dias ficam mais longos do que as noites, para então florescer por todo o verão.

 

O ideal é plantar sua lavanda em vasos de barro, cerâmica ou porcelana, pois vasos de vidro, metal ou plástico podem esquentar as raízes. É comum a planta sentir o transplante quando recém colocada em vasos novos, caindo as flores e murchando as folhas, porém, com os cuidados certos, ela logo se adapta. O ideal é colocar casquinhas de pinos ou outros substratos que mantenham a planta úmida nos vasos.

 

O solo deve ser mais arenoso, preparado com uma mistura de areia, terra e composto orgânico. Depois que se acostuma ao lugar, a lavanda resiste bem tanto a períodos de seca quanto à geada.

 

Em canteiros, recomenda-se a mistura de calcário na terra na proporção de 150 g por muda. O calcário ajuda a regular o Ph do solo, pois a lavanda se desenvolve melhor em terrenos com Ph entre 6 e 8. O calcário deve ser misturado uma semana antes de receber a planta. Pode-se acrescentar 50 g de fósforo por cova. 

 

As lavandas são excelentes para compor maciços, bordaduras ou pequenas cercas-vivas, mas podem prestar-se como arbustinhos isolados ou em grupos irregulares, perfeitos em jardins de estilo inglês.

 

As mudas novas precisam ser regadas diariamente, evitando encharcar a terra. Depois de adaptada, basta regar a cada dois dias ou até mesmo uma vez por semana em períodos com muita umidade do ar. Borrifar água nas folhas fazem com que o cheiro da lavanda se exale de forma mais marcante.

Procure regar suas plantas sempre no horário da manhã.

 

Apare a folhagem no inicio da primavera. Corte as flores sempre que estiverem secas. Você pode usá-las para perfumar ou temperar.

Para fazer mudas, corte estacas das pontas dos ramos mais fortes, mas não os dos ramos lenhosos da base. Depois, tire as folhas da base.

 

Adubo rico em Nitrogênio ajuda na floração.

 

Nas primeiras semanas, deixe a maior parte do tempo na sombra e regue com frequência. Porém a lavanda gosta de sol e convém deixa-la em local onde receba cerca de 04 horas de luz direta por dia.

 

Please reload

Blog Agave Paisagismo